ARTIGO – Mais impunidade

  • Lasier Martins

O recrudescimento da COVID-19 no país vem deixando todos atônitos. Não devemos, apesar de tudo, perder o foco para algo muito grave que vem tomando corpo: o avanço e até mesmo a legalização da corrupção no país, vírus tão difícil de extirpar. Nos últimos dias, e em meio ao caos da pandemia, assistimos quase inertes à transformação de mocinhos em bandidos e vice-versa

Há uma máxima nos filmes de faroeste de que os mocinhos sempre vencem no final. No Brasil, não é assim. Uma prova é a operação abafa nos escaninhos do poder com a anuência de ministros do Supremo Tribunal Federal e também do Congresso, agora vitaminado com a ascensão do Centrão.

Depois de toda a corrupção que veio à tona nos governos do PT, Lula ganha certa alforria do STF e o juiz Sergio Moro – o grande responsável por mostrar as vísceras do país – está na berlinda por conta de meia dúzia de togados e alguns políticos com culpa em cartório. Os mesmos que soltam bandidos do PCC e prendem cidadãos por emitirem opinião, vem promovendo de forma sorrateira a desmoralização e o desmonte da Lava Jato, transformando bandidos em ficha limpa.

Mas há outras iniciativas em curso para fragilizar ainda mais o combate à corrupção no Brasil, a PEC da Blindagem, o aparelhamento de órgãos de controle, a revisão da Lei de Improbidade e das regras que configuram o nepotismo, uma possível nova Lei de Lavagem de Capitais, e a articulação para impedir, em definitivo, o cumprimento das execuções criminais após a segunda instância – exemplos que contam com a complacência de setores do Congresso.

São tantas as tramoias nos bastidores que o presidente do STF, Luiz Fux, chegou a preconizar: “Se a Lava Jato for anulada, teremos que devolver dinheiro aos corruptos”. Não se trata do exercício de um vidente, mas triste constatação. O fim da Lava Jato, antes tão festejada nas ruas, está se tornando um revés sem precedentes. E Lula livre sendo o símbolo do descalabro, de uma total inversão de valores do faroeste brasileiro.

Eventuais erros formais nas operações não podem contribuir para sepultar a Lava Jato que hoje continua contando com o apoio maciço da população, mesmo trancada em casa por conta da pandemia. É preciso resistir para não acontecer no Brasil o que aconteceu na Itália, na Operação Mãos Limpas, neutralizada pela pressão dos próprios investigados. E são eles que estão agindo, sem oposição significativa.

  • Lasier Martins é senador do Podemos pelo estado do Rio Grande do Sul.

Fonte: ASCOM – Senador Lasier Martins.