Léo Moraes na luta pela redução da tarifa de combustível no país

O deputado federal Léo Moraes questionou o presidente da Agência Nacional do Petróleo, Décio Odonne, sobre os critérios adotados para a fiscalização dos preços dos combustíveis cobrados à sociedade, em audiência da Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados. O parlamentar foi o autor do requerimento de presença do presidente da ANP e presidiu a sessão.

Na ocasião, o deputado Léo Moraes ressaltou que os questionamentos têm por objetivo encontrar a melhor estratégia para diminuir os valores nas bombas dos postos. “A nossa intenção é propor esse debate, sem querer apontar dedos ou sermos negligentes, e encontrar, através do diálogo, a melhor solução para acabarmos com aumentos abusivos. A sociedade, que sempre está na ponta desse debate, é quem sofre, e precisamos diminuir essa oneração no bolso do contribuinte”.

O presidente da ANP elogiou a iniciativa, e se colocou à disposição do parlamento sempre que for necessário. “É extremamente importante haver esse diálogo, e acredito que esse tipo de interação com o parlamento nos ajuda, cada vez mais, a estar próximo daquilo que o povo precisa. Os deputados podem ter certeza de que debates construídos dessa forma, como proposto pelo deputado Léo Moraes, sempre terão, por parte da ANP, a contribuição necessária”.

“Nós temos realizado uma verdadeira cruzada aqui na Comissão de Minas e Energia, interpelando todos os atores envolvidos. Questionamos a Petrobras, agora a ANP, temos a questão das distribuidoras, que precisa ser melhor debatida. Ao meu ver, não contribuem em nada para o processo produtivo do combustível, e come uma boa parcela do orçamento do produto.

O presidente Odonne veio aqui e nos trouxe um organograma bem elucidativo de como é a cobrança feita no Brasil. Ficaremos de olho para que a ANP exerça o seu papel de agente fiscalizador, assim como faremos com as outras agências reguladoras, que precisam estar em defesa da sociedade, e não em conluio com as empresas visando apenas o lucro”, finalizou o deputado Léo Moraes.