Líder do Podemos aceita proposta de Bolsonaro sobre corte de salário dos parlamentares: “O presidente está certo, todos devem dar sua cota de sacrifício”

Líder do Podemos na Câmara, o deputado federal Léo Moraes (RO) concorda com a redução salarial dos parlamentares proposta pelo presidente Jair Bolsonaro como contrapartida para manutenção do valor de R$ 600 do auxílio emergencial. Na terça-feira (9), o Palácio do Planalto confirmou a intenção em reduzir a parcela para R$ 300.

“Desde o início do coronavírus, defendo a redução do salário dos parlamentares. Ninguém obrigou ninguém a sair candidato, e todos devem dar sua cota de sacrifício. Como não houve consenso nesse sentido, enviei ofício, em março, ao presidente Rodrigo Maia comunicando minha decisão de devolver 50% da cota parlamentar e mais 50% do meu subsídio”, recorda Léo Moraes.

Diante dos entraves burocráticos à devolução salarial, o deputado passou a doar metade do salário. Em abril, o repasse foi feito ao Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia – IFRO, para confecção de máscaras faciais.

Fundos Públicos

Além da redução salarial, Léo Moraes defende também o uso dos recursos dos fundos públicos infraconstitucionais para manutenção do auxílio emergencial, que custa, mensalmente, R$ 40 bilhões para o governo federal. Em maio, em ofício dirigido ao ministro da Economia, Paulo Guedes, o líder do Podemos foi o primeiro parlamentar apresentar a proposta à equipe econômica.

“Se somarmos a redução salarial com os R$ 220 bilhões que estão nos fundos públicos, teremos capacidade para manter os R$ 600 do auxílio emergencial, enquanto for necessário manter o isolamento para salvar vidas”, aponta Léo Moraes.

Em 2019, o governo encaminhou ao Congresso a Pec dos Fundos Públicos, que estabelece a extinção de uma série de fundos e direciona esses recursos para pagamento de juros da dívida pública. De acordo com o próprio governo, existem aproximadamente 281 fundos públicos federais que poderiam ser extintos e que gerariam um caixa de R$ 220 bilhões.