Romário afirma que autistas sofrem sem o acesso a garantias fundamentais

Celebrado nesta terça-feira (02/04), o Dia Mundial da Conscientização do Autismo foi lembrado em Plenário pelo senador Romário, do Podemos do Rio de Janeiro. Ele lamentou a falta de garantias e direitos básicos aos autistas. Mesmo reconhecendo alguns avanços, como a inserção dos cidadãos com o espectro autista no rol de pessoas com deficiência, há ainda uma necessidade de garantia de acesso à educação, previdência social e saúde.

“Se no mundo desenvolvido, por exemplo, a proposta de debate hoje é em que medida a tecnologia pode ser usada para a inclusão assertiva, por aqui ainda nos deparamos com escolas despreparadas, em sua maioria, para receber esses alunos e alunas”, disse Romário.

Para ele, é preciso capacitar e treinar os professores para que se cumpram as exigências legais de acesso à educação de qualidade. Ele afirmou que “boa parte dos professores, diretores e assistentes, além de coordenadores pedagógicos, ainda estão despreparados para receber essa demanda”.

Nas áreas de saúde e Previdência Social, os portadores de autismo vivem “um quadro de completa desassistência”, afirmou o senador, apontando a falta de políticas públicas efetivas e eficazes. Ele cobrou uma maior cobertura terapêutica, tanto por parte da saúde pública como na medicina privada e na cobertura dos planos de saúde.

“Incluir vai além da palavra fria da lei. Se já alcançamos um primeiro passo ao propor uma legislação inclusiva e moderna, agora temos um segundo e maior desafio, torná-la efetiva e real dotando os equipamentos públicos, os profissionais envolvidos e toda a sociedade brasileira das ferramentas necessárias para o seu cumprimento”, concluiu o senador Romário.