Senadores do Podemos criticam decisão do STF que liberou a Lula mensagens roubadas da Lava Jato

A decisão da segunda Turma do Supremo Tribunal Federal de liberar para a defesa do ex-presidente Lula o acesso às supostas mensagens trocadas entre o ex-juiz Sergio Moro e procuradores da Lava Jato em Curitiba não foi bem recebida pelos senadores do Podemos. Os parlamentares vêem a ação como uma tentativa de desmanche dos trabalhos e resultados obtidos pela operação nos últimos seis anos.

O líder do Podemos no Senado, Alvaro Dias (PR), classifica a ação dos magistrados como um ‘golpe de morte’ à força-tarefa que trouxe aos brasileiros o sentimento de esperança em relação ao combate à corrupção.

“Infelizmente a Operação Lava Jato, que trouxe tão bons resultados no combate à corrupção no Brasil e levou à cadeia ex-presidentes, empresários milionários, políticos, lobistas e vários outros tipos de picaretas, está sendo enterrada em um funeral orquestrado por muitas mãos”, avalia o senador.

Alvaro Dias também manifesta preocupação com a falta de indignação dos brasileiros para impedir o fim da Lava Jato.

“A decisão da Segunda Turma do STF rejeitando o recurso da Lava Jato e em favor do ex-presidente Lula, sem dúvida, foi mais um golpe de morte na operação, assim como será o julgamento da suspeição do ex-juiz Sérgio Moro, e a posterior anulação das condenações do ex-presidente. Fica uma questão: por que os brasileiros estão aceitando tão passivamente a destruição da Lava Jato?”, questiona o senador.

Na opinião do senador Lasier Martins (RS), a decisão dos magistrados do STF é considerada ‘deplorável’.

“O objetivo da defesa de Lula é anular as condenações sofridas pelo ex-presidente petista. Não podemos aceitar! Uma decisão dessa importância deveria ser analisada pelo Plenário, e não apenas por uma turma”, critica.

Para o senador Eduardo Girão (CE), o fato ocorrido configura o desmonte da Lava Jato e merece atenção redobrada do Parlamento e de todos os cidadãos às decisões da Suprema Corte.

“Isso só mostra o quanto alguns do STF continuam deixando o nosso país ‘de joelhos’ para a corrupção. Martin Luther King, grande humanista, tem uma frase que me inspira muito. Ele diz: ‘A injustiça em algum lugar é uma ameaça à justiça em todo lugar’”.

Styvenson Valentim (RN) destaca a atuação da força-tarefa como instrumento de combate à corrupção e faz um apelo para que decisões similares a essa não voltem a ocorrer.

“A saga para derrubar a Lava Jato continua, mas os frutos ficarão para sempre. É a maior operação de combate à corrupção que este país já viu: 1.450 buscas e apreensões: 163 prisões temporárias e 132 preventivas; 2.611 anos de pena. Quando e quantos corruptos deste país amargariam dias na cadeia não fosse a Lava Jato? Só falta agora a justiça determinar que os presos sejam indenizados e quem paga a conta é você”, afirma o parlamentar.

Desde que as mensagens foram roubadas por criminosos e divulgadas, o ex-ministro da Justiça e ex-juiz Sergio Moro e os procuradores da Operação Lava Jato nunca reconheceram a autenticidade e teor das conversas apresentadas.