Decisão do STF sobre Moro: Parlamentares do Podemos apontam retrocessos no combate à corrupção

A decisão da Segunda Turma do STF sobre a suspeição do ex-juiz federal Sergio Moro, no processo do julgamento em que condenou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), envolvendo um tríplex no Guarujá (SP), foi considerada por deputados e senadores do Podemos um retrocesso no combate à corrupção.

A presidente Nacional do Podemos, deputada federal Renata Abreu (SP), lembra que as decisões de Moro foram confirmadas por tribunais superiores.

“A mim sempre pareceu que o juiz Sergio Moro tem, sim, um lado: o lado do combate à corrupção. Foram tantas as confirmações dos seus julgamentos pelas instâncias superiores que a atual decisão coloca em xeque todo o sistema do judiciário. Fico triste ao ver o Brasil retroceder e contra-atacar em direção àqueles que tiveram a coragem de enfrentar os maiores corruptos do País. Que não nos falte esperança de um novo futuro”, argumenta a parlamentar.

Líder do Podemos no Senado, Alvaro Dias (PR) alerta para o risco de anulação de outros processos da Lava Jato.

“Com a decisão do STF de considerar Sérgio Moro suspeito e anular os processos de Lula na Lava Jato, devem surgir como efeito dominó diversas ações dos demais condenados pelo ex-juiz”, analisa o senador.

Além disso, o senador critica a decisão e afirma que essa figura como mais um golpe à força-tarefa da Lava Jato.

“É um dia triste para a Justiça brasileira. Talvez, um dos momentos mais deploráveis para o Supremo Tribunal Federal. É inadmissível que um habeas corpus de 2018 só seja julgado agora, nessas circunstâncias, no meio da conspiração contra a Lava Jato. A operação Lava Jato está golpeada. O julgamento impõe a inversão de valores que desgasta o sistema judicial brasileiro”, considera Alvaro Dias.

Na votação, a ministra Cármen Lúcia alterou o voto dado em 2018 e se posicionou pela parcialidade do ex-juiz. Com o novo voto, foi formada com a maioria de 3 votos a 2. Nesse caso, as investigações terão que ser retomadas do zero, já que as provas colhidas serão anuladas e não poderão ser usadas em novo julgamento.

Para o senador Lasier Martins (RS), “bandidos estão virando ficha limpa”.

“Nada mais vergonhoso que a alforria dada a Lula pelo STF e a suspeição do juiz Moro. Estamos assistindo a uma inversão de papéis, com bandidos virando ficha limpa. É o esforço para enterrar a Lava Jato”, afirma o parlamentar.

Na opinião do senador Eduardo Girão (CE), a suspeição do ex-juiz Sergio Moro suscita a necessidade de aprovações de matérias como fim do foro privilegiado, prisão após condenação em segunda instancia e projeto que torna a prática de corrupção como crime hediondo.

“Esse é o antídoto para os desmandos que estão ocorrendo. O Congresso precisa dar um basta à impunidade. A decisão do STF no processo que julgava a parcialidade do Moro, traz à tona um sentimento de que a Suprema Corte tem tomado decisões políticas altamente prejudiciais para o Brasil”, afirma o senador.